Teoria do Computacionalismo da Mente

A mente, enquanto modelo, formula-se por várias metáforas. Uma delas distingue-se pela sua adequação cognitiva, com vertentes orientadas para a Inteligência Artificial (IA). Esta metáfora é a metáfora da computação, que se pode exprimir da seguinte maneira ‘a mente é como um computador’.

Esta metáfora tem um bom poder explicativo, mas também aplicativo. As ferramentas desenvolvidas para análise permitem ser as mesmas que são desenvolvidas para, como exemplificámos, a IA. A questão central torna-se então que tipo de computação a mente executa. Para Alan Turing uma computação baseava-se numa manipulação de símbolos que seguem processos passo-a-passo em ordem a formar um resultado. Por outras palavras, na formulação de um estímulo, determinadas operações baseadas em regras de sintaxe são feitas com representações desse estímulo, que promovem um resultado: uma acção ou crença. O conceito aqui de ‘representação’ assume uma importância crucial. Para este tipo de computacionalismo, a representação estrutura-se como ‘algo que está em vez de outra coisa cá fora (na realidade)’ que é introduzido pela percepção e utilizado para computação.

Isto obviamente levanta a questão sobre se a representação utilizada é uma coisa real, ou uma cópia, ou uma coisa falsa. Mas independentemente disso, oq eu se coloca aqui em fundo é o facto de que se soubermos as questões da representação, e as regras pelas quais estas se conjugam em operações computacionais, tais critérios podem ser implementadas artificialmente num sistema mecânico-físico computacional, como num robô ou qualquer circuito electrónico. Isto é, se soubermos estas coisas podemos desenhar uma mente! Este é o programa do computacionalismo cognitivo.

Ainda que existam vertentes críticas desta doutrina (tais como o conexionismo, teorias de cognição situada e de cognição extendida, e teorias memória-preditivas), o enquadramento doutrinal do computacionalismo mantém-se como paradigma organizativo, tanto nas ciências experimentais (que não vão abdicar dele neste momento), como nas ciências humanas.

No meu ponto de vista, o computacionalismo como teoria cognitiva baseada na descrição que coloquei acima, permanece muito fraca. No entanto a ideia de computação pode fornecer um modelo descritivo diferente de como a mente funciona e de como é que esta ‘quer’ ser implementada noutra(s) mente(s). Iremos explorar esta ideia mais à frente.

Anúncios